Com apoio do Sebrae no Acre, mãe encontra no empreendedorismo oportunidade de renda

Com o apoio do Sebrae no Acre, Paula Amanda conseguiu construir seu plano de negócios e abrir uma loja virtual

Segunda data comemorativa mais importante para o comércio, o Dia das Mães só perde para o Natal em volume de negócios. Em 2018, as vendas em todo o país cresceram 4%, em relação a 2017, segundo os dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito).

Com base nesses resultados, a Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomércio - SP) estimou que o faturamento total do varejo no período que antecedeu à data foi, aproximadamente, R$ 2,2 bilhões superior ao apurado no mesmo período em 2017.

Dessa forma, a ajuda do Sebrae no Acre para os micro e pequenos negócios no Estado é de grande importância para o crescimento da economia local. Um dos pequenos negócios apoiados pela instituição é a loja virtual H Store, que tem como foco a venda semijoias através do Instagram.

Paula Amanda, proprietária da loja, é microempreendedora individual e mãe de três meninas com faixas etárias bem distintas: 12 anos, 5 anos e a mais nova, 5 meses. Ela conta que quando ainda estava grávida procurou a ajuda do Sebrae juntamente com o marido para receber uma consultoria do Sebraelab, laboratório de inovação do Sebrae que tem o objetivo de auxiliar empresas com plano de negócios e consultorias especializadas.

A ideia inicial do casal era de abrir uma loja de presentes. “Procuramos o Sebrae para tirar nossas dúvidas e nossos medos, para saber as perspectivas de mercado. Logo depois eu tive minha filha e meu marido deu continuidade ideia, mas percebemos que talvez ela não fosse o melhor caminho”, afirma.

Após o nascimento de sua filha, Paula se viu movida pela necessidade de complementar a renda em casa, mas os medos de abrir um negócio ainda a assustavam: “Eu cresci ouvindo meus pais falarem que eu deveria estudar e prestar um concurso público, eu sempre tive receio de abrir um empreendimento”, comenta.

“Eu sempre via coisas do Sebrae sobre como trabalhar com o que você gosta para inspirar outras pessoas e, assim, vi o mundo das semijoias uma oportunidade inovadora. Eu comecei a procurar uma referência e encontrei uma marca que me agradou muito, depois fiz um treinamento pela internet”, conta Paula.

Ela afirma, ainda, que os desafios são diários. “Minha filha mais nova tem 5 meses, eu não possuo alguém para me ajudar com as tarefas do dia a dia. Eu precisava fazer alguma coisa, mas tive que aprender a aliar meu trabalho com a maternidade”, explica.

Apesar das dificuldades, Paula diz que as vantagens de ser uma mãe empreendedora são inúmeras. “Você é dona do seu tempo, você é sua própria chefe e tem condições de moldar seu horário de acordo com as necessidades dos seus filhos e do seu empreendimento. Além disso, o Sebrae ajuda não só na abertura do empreendimento, mas com cursos e qualificações”.