Sebrae no Acre inicia segundo ciclo da pré-aceleração do Sebraelab 2019

Game, saúde, tributação, tecnologia 3D e feira on-line são as temáticas do ciclo

O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Acre (Sebrae no Acre), em parceria com a Universidade Federal do Acre (Ufac), iniciaram mais uma turma da pré-aceleração do Sebraelab. A abertura da nova turma aconteceu na quinta-feira, 19, no espaço Sebraelab da Ufac.

A pré-aceleração permite que os participantes desenvolvam o próprio negócio com acompanhamento de mentores e tutores divididos em ciclos cadenciados de workshops, permitindo um feedback rápido das ações realizadas pelos empreendedores e uma resposta efetiva para aos próximos passos a serem realizados. Essa estratégia reduz o custo dos testes e dos serviços necessários para a validação de um produto.

Além disso, o programa proporciona às equipes participantes o contato com mentores renomados nacional e internacionalmente, e que desenvolvam sua ideia de negócio com o suporte do Sebrae. Esse é o segundo ciclo realizado em 2019. Foram submetidos 130 projetos, sendo esse o recorde de inscrições. Desse total, 22 trabalhos com temáticas diversas foram selecionados para receber as orientações.

A analista técnica do Sebrae no Acre, Claudia Baima, conta que as expectativas são promissoras e as temáticas são diferentes das já trabalhadas nos últimos ciclos. “Essa nova turma tem projetos interessantes e diferentes. Nessa turma, por indicação de outros participantes, demos uma desacelerada nas atividades porque a pré-aceleração tem esse ritmo veloz mesmo, de algo imediato, mas sem comprometer os resultados.”

            Com início em setembro de 2019 e conclusão em abril de 2020, a ideia é melhorar os projetos para validação no mercado, totalizando assim, oito meses de mentoria.  A novidade é que nessa fase estão sendo aperfeiçoados processos de feedbacks, diversificação de atividades, tendo em vista que esse é o último ciclo com inscrições totalmente gratuitas. Essa medida visa intensificar o nivelamento nacional, com foco na potencialização das atividades para os próximos módulos.

Para promover a educação e prática sustentável, foram entregues kits com copos para uso pessoal no intuito de evitar consumo de plásticos. Os novos modelos de negócios têm como pilar a sustentabilidade e isso é incentivado já no início da construção das empresas. Gabriela Cunha, 25, é contadora e professora. Ela trouxe as ideias da ‘Up Gamification’, startup que cria soluções lúdicas para empresas, negócios e profissionais que desejam potencializar seus serviços e produtos os tornando mais engajadoras. Ela pode tornar uma atividade baseada em níveis e recompensas, inspirada em um jogo, por exemplo. “Eu utilizo ‘gamificação’ nas minhas práticas de ensino e agora passei a levar isso para o lado empresarial. Ainda estamos modelando o negócio e a ideia é que funcione por meio de aplicativo, com versão off-line com jogos e soluções.”

A ideia é trazer soluções com descontração e facilidades proporcionadas pelo jogo sabendo que a atividade traz motivação. Os games são criados a partir dos conceitos de felicidade, motivação e engajamento e já têm empresas colocando em prática para atrair clientes e funcionários.  Assim, é possível criar soluções que vão melhorar negócios, o ensino e as empresas do estado.